13 de mai de 2008

Posted by Pedro Malta | 21:07 Categories:

A coleta e a reforma de pneus

O Governo Federal não é contra o reaproveitamento de pneus usados, desde que sejam usadas carcaças nacionais. Reconhece que a reforma - a recapagem, a recauchutagem ou a remoldagem -aumenta a vida útil do pneu. Portanto, esses processos são benéficos do ponto de vista da minimização da geração de resíduos.

Não importa qual processo de reforma um pneu tenha sofrido, sempre será considerado pneu usado. Um pneu de passeio só pode ser reformado uma única vez. Portanto, um pneu reformado tem apenas uma “vida”, tornando-se lixo após seu uso.

É importante salientar que não é verdadeira a afirmação de empresas reformadoras, de que a maioria das carcaças nacionais não pode ser recuperada. Isso se deveria a danos causados nos pneus pelas condições das rodovias brasileiras. O Inmetro reconhece que as carcaças são plenamente passíveis de reforma.

O sistema de coleta de pneus inservíveis implantado hoje no Brasil é insuficiente. Os pontos concentram-se em cidades com menos de 100 mil habitantes, enquanto que 70% da frota de veículos está em cidades com mais de 100 mil habitantes.

Para o melhor aproveitamento das carcaças brasileiras, então, é necessário aperfeiçoar o sistema de coleta, sob responsabilidade dos geradores e com a participação dos pontos de revenda e de outros atores, e o controle do uso dos pneus no país. Esse sistema deverá:

  • assegurar a segunda vida aos pneus produzidos no país ou importados novos;
  • garantir matéria-prima em quantidade suficiente para reformadores de pneus;
  • ampliar a atividade de reforma de pneus e a geração de empregos;
  • evitar a disposição inadequada de pneus inservíveis;
  • direcionar pneus inservíveis para destinações licenciadas.

Também é preciso melhorar e ampliar a fiscalização para que os órgãos responsáveis coíbam o uso dos pneus até o fim da vida, estabelecendo um sistema de inspeção veicular. Como vantagens dessas práticas, haverá maior segurança nas estradas e menor geração de resíduos.

0 comentários:

  • RSS
  • Delicious
  • Digg
  • Facebook
  • Twitter
  • Linkedin
  • Youtube