Últimas postagens

17/10/2012

SNCTZO - Primeiro Dia

0 comentários
















12/10/2012





A Semana de Ciência e Tecnologia de 2012 ocorrerá entre 15 e 21 de outubro em todo Brasil. O tema principal será: "Economia verde, sustentabilidade e erradicação da pobreza".

A organização da Semana Nacional de Ciência e Tecnologia na Zona Oeste compõe os eventos integrados do RJ,  ocorre de forma participativa e cada instituição parceira define como contribuir, disponibilizando suas competências, expertises e poder de mobilização. As atividades deste ano estão organizadas da seguinte forma:
16, 17 e 18 /10/2012 – Culminância no Polo Miécimo da Silva- Campo Grande, com a participação de todas as organizações parceiras da Semana de Ciência e Tecnologia na Zona Oeste, por meio de atividades diversificadas que denominamos "Troca de Saberes": feiras de ciências, palestras, oficinas, mostras de vídeos, atividades e jogos interativos, experimentações científicas, exposições, apresentações culturais. Uma culminância  das produções realizadas  pelas instituições tendo o tema central do evento como inspiração para as atividades elaboradas.
Local: Centro Esportivo Miécimo da Silva - Rua Olinda Elis, 470- Campo Grande- RJ.

19/10/2012- Portas Abertas: instituições e empresas da região abrem suas portas para visitação comunitária, apresentando suas instalações e trabalho para toda a comunidade, com atividades como exposições, feiras de ciência, oficinas, apresentações culturais,etc. As visitas são agendadas previamente.

Todas as atividades são gratuitas e abertas para visitação de crianças, adolescentes e adultos.
Venha com sua família, escola, grupo comunitário!

15/05/2012

Vídeo imperdível para compreender a grandeza da RIO+20, com o especialista Aron Belinky da ong Vitae Civilis.

04/04/2012


A ideia da meta-recilagem surgiu para diminuir nossos problemas com o consumismo, desigualdades sociais e com o descarte errado de resíduos eletrônicos.

A sociedade atual consome uma quantidade cada vez maior de materiais, compra cada vez mais produtos eletrônicos e os descarta muitas vezes em condições de uso ou com problemas que podem ser sanados facilmente, é muito comum entre as classes com maior poder aquisitivo a troca anual de computadores, telefones celulares e outros equipamentos.



A meta-reciclagem resolve dois graves problemas desse quadro ao mesmo tempo:

Os produtos que não são mais utilizados ao invés de serem descartados no lixo comum onde iriam causar poluição, contaminação e outros males a sociedade, passam a ser descartados em um local onde vão passar por uma triagem para separar o que pode ser usado e reaproveitado, o material que não puder ser utilizado neste primeiro momento vai para tratamento visando ser transformado novamente em matéria prima gerando assim nenhum de resíduo.

METARECICLAGEM: COMPUTADORES SÃO RECONDICIONADOS EM TAUÁ

Os produtos que estiverem em funcionamento serão encaminhados, para ONGs, escolas públicas, centros comunitários e em qualquer outro local onde for possível utilizar esse equipamento para o desenvolvimento da sociedade, a criação de empregos e a inclusão digital. 

Atualmente diversas cidades no Brasil possuem projetos com o mesmo objetivo, aqui no Rio de janeiro nosso primeiro ponto funciona no Circo Voador.




Se você possui equipamentos eletroeletrônicos que pretende descartar leve até o nosso ponto de coleta, assim você evita poluir e ainda ajuda no desenvolvimento social do nosso país.



Para saber mais informações sobre Resíduos eletro-eletrônico clique aqui

08/01/2012




A destinação adequada para os pneus inservíveis ainda deixa a desejar no Brasil, segundo a opinião de Carlos Lagarinhos, engenheiro mecânico que defendeu uma tese de doutorado sobre o assunto na Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (USP).
Apesar de duas resoluções do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama) obrigarem os fabricantes e importadores a dar uma destinação adequada para pneus que não servem mais, as regras não estão surtindo o efeito desejado, de acordo com Lagarinhos. 
“No Brasil, as atividades de reutilização [de pneus] não são regulamentadas e não existem incentivos para a reciclagem ou utilização de matéria-prima de pneus inservíveis [que não servem mais para rodar em automóveis, ônibus e caminhões]”, apontou o especialista à Agência Brasil.
Segundo Lagarinhos, de 2002 a abril de 2011, o descarte inadequado correspondeu a 2,1 milhões de toneladas do produto. Nesse período, os importadores de pneus novos cumpriram 97,03% das metas de descarte estabelecidas, os fabricantes, 47,3% e, os importadores de usados, 12,92%.
No país, é possível encontrar pneus jogados em lixões, rios, ruas e, até mesmo, no quintal das casas, o que pode ocasionar problemas ambientais e, até mesmo, de saúde – o mosquito transmissor da dengue, por exemplo, se reproduz em água parada alojada, muitas vezes, em pneus velhos.
Lagarinhos observou que o alto custo da coleta e do transporte de pneus descartados é a principal dificuldade para a destinação correta desse material. Outro problema levantado pelo pesquisador é que há falta de conhecimento dos consumidores sobre o destino que deve ser dado aos pneus usados.
“Os fabricantes, importadores, revendas e distribuidores não divulgam programas de coleta e destinação dos pneus inservíveis para incentivar o descarte, após a troca, pela população”, observou Lagarinhos. Em São Paulo, por exemplo, ele citou que, apesar dos mais de 6,6 milhões de veículos licenciados, existem apenas quatro pontos de coleta de pneus.
Asfalto-borracha
Uma das saídas apontadas por Lagarinhos como solução para o problema seria o aproveitamento de pneus usados como componente para asfalto. “De 2001 a 2010, somente 4,9 mil quilômetros foram pavimentados com asfalto-borracha. Existe uma série de vantagens para a sua utilização, como aumentar a vida útil do pavimento em 30%, retardar o aparecimento de trincas e selar as já existentes, e aumentar o atrito entre o pneu e o asfalto, entre outros", explicou.
"Falta incentivo por parte dos governos federal, estaduais e municipais para a utilização do asfalto-borracha na pavimentação de ruas, estradas e rodovias”, acrescentou o pesquisador.
Reciclanip tenta melhorar realidade
Os fabricantes nacionais possuem uma entidade voltada exclusivamente para a coleta e destinação adequada, a Reciclanip, criada em 1999 por representantes das empresas Bridgestone, Goodyear, Michelin e Pirelli, e que a partir de 2010 passou a contar com a Continental.
A entidade afirma ter coletado e destinado, de forma ambientalmente correta, o equivalente a 56,3 milhões de unidades de pneus de carro de passeio (280 mil toneladas) de janeiro a outubro de 2011. Segundo a Reciclanip, levando-se em conta o início do trabalho, no ano de 1999, este número chega a 1,82 milhão de toneladas de pneus inservíveis, que corresponde a 364,3 milhões de pneus de passeio.
Ainda segundo a organização, os fabricantes de pneus investiram US$ 154,4 milhões no programa até outubro de 2011. 
A Reciclanip tem hoje 726 pontos de coleta distribuídos em todos os estados e Distrito Federal, onde recolhe os pneus nos pontos de coleta e, de lá, transporta até as empresas de trituração ou de reaproveitamento. Os pontos de coleta são desenvolvidos em parceria com as prefeituras, que cedem os terrenos dentro das normas especifica de segurança e higiene para receber os pneus inservíveis vindos de origens diversas. Para verificar a localização dos pontos de coleta, basta acessar o site da entidade.


Fonte: EcoD